Uma doença silenciosa e ainda cercada de dúvidas e preconceitos. O câncer de próstata é o segundo tipo que mais mata brasileiros, atrás apenas do câncer de pulmão, brônquios e traqueia. Segundo o Ministério da Saúde, 41 homens foram diagnosticados com câncer de próstata e 22 morreram em decorrência da doença em Blumenau em 2017 – mais de uma morte por mês, chegando a quase duas.

Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) mostram que 15,3 mil pessoas morreram em 2017 devido a tumores de próstata. A estimativa é que 68,2 mil novos casos tenham sido diagnosticados no Brasil em 2018. De acordo com o Inca são 66 a cada 100 mil brasileiros. Em Santa Catarina o número é maior: 80 a cada 100 mil habitantes.

As pesquisas ainda não revelam os números deste ano e de 2018, mas o urologista do Hospital Santa Isabel, Felipe Barbeta, acredita que as estatísticas podem piorar.

“Acho que esse número está defasado e vai aumentar, porque é cada vez mais fácil fazer o diagnóstico e o estilo de vida das pessoas está diferente, menos saudável, com alto consumo de industrializados”, lamenta.

Não há uma causa específica para o surgimento do câncer, mas Barbeta explica que estudos apontam alguns “facilitadores”, como alimentação rica em carboidrato e produtos industrializados, sedentarismo, acesso a substâncias tóxicas como o cigarro e, principalmente, a hereditariedade. As chances de ocorrência são maiores em pessoas que possuem histórico da doença em parentes de primeiro grau.

Outra pesquisa que chama a atenção de especialistas é sobre a quantidade de vitamina D no corpo. Homens que passam a vida com níveis baixos da substância no sangue tendem a desenvolver o câncer de forma mais agressiva.

Prevenção e cura

Depois do Outubro Rosa alertar sobre o câncer de mama, o Novembro Azul chega para conscientizar os homens sobre a importância da prevenção ao câncer de próstata. A incidência da doença, inclusive, é maior em comparação ao câncer de mama. Segundo o Inca, a enfermidade feminina atinge 56 a cada 100 mil catarinenses, enquanto a masculina alcança 80 a cada 100 mil.

Se descoberto precocemente, o câncer pode ser combatido com certa facilidade. O urologista garante que mais de 90% dos casos iniciais têm cura. Porém, por se tratar de uma doença que não traz sintomas no começo, é necessário fazer os exames de toque e sangue a partir dos 45 anos, preferencialmente.

Para estimular a prevenção, a Secretaria de Promoção da Saúde (Semus) irá promover um evento com atividades gratuitas, como testes de saúde, aferições e orientações neste sábado, dia 9, no Parque Ramiro Ruediger, das 8h às 13h.

Para os homens que desejam ir com a família, haverá atrações do programa de Iniciação Esportiva da Secretaria do Esporte. São atividades que pais e filhos podem aproveitar juntos e que estimulam o bem estar e a prática da atividade física, como xadrez gigante, minivôlei, minitênis, minibasquete, times de golzinho e badminton.

O movimento Novembro Azul nasceu para a conscientização em relação ao câncer de próstata, mas atualmente tem foco na saúde global do público masculino e relação direta com as doenças que mais atingem os homens.

De acordo com a coordenadora da Política da Saúde do Homem em Blumenau, Talira Schütz dos Santos, a prevenção e conscientização sobre o câncer de próstata é importante, mas não a principal causa de morte entre este público.

“Doenças circulatórias, cardiovasculares e eventos externos, como acidentes de trânsito e violência, lideram causas de óbito dos homens. Nossa proposta é uma abordagem mais global para uma prevenção mais efetiva”, avalia.

Deixe uma resposta