Conheça o grupo de Blumenau que viajou até São Paulo para participar da São Silvestre

Dez blumenauenses completaram o desafio no último dia de 2019

Conheça o grupo de Blumenau que viajou até São Paulo para participar da São Silvestre

Dez blumenauenses completaram o desafio no último dia de 2019

Alice Kienen

A largada foi dada às 7h15 desta terça-feira, 31, o último dia de 2019. A Corrida Internacional de São Silvestre é a mais tradicional do país e conta com participantes de todo o país – e até mesmo de outros lugares no mundo.

A terceira maior cidade de Santa Catarina não poderia ficar de fora. Apenas no grupo Fonte Fitness Runners Team dez participantes que viajaram para São Paulo neste fim de semana para correr na Avenida Paulista. Os blumenauenses têm entre 30 e 54 anos e a maioria deles participou da prova pela primeira vez.

A corrida se encerrou às 11h15 e eles acabaram de completar o circuito, porém alguns integrantes relataram a experiência para O Município Blumenau. Sandra Mara Reichert Heidemann correu ao lado do esposo e da irmã que a inspirou a participar. Conheça a história do trio que encontrou na corrida uma nova forma de viver a vida.

Comemoração de aniversário

Neste dia 31, a blumenauense Sandra Heidemann comemora 46 anos. Mas a moradora do Garcia estava bem longe de casa durante seu aniversário. Este é o segundo ano em que ela compete na São Silvestre. Dessa vez, ela correu ao lado do esposo Célio Francisco Heidemann, de 54.

“Em que outra oportunidade você vai acordar e correr pelo meio das ruas de São Paulo? Passar pelo Pacaembu, o museu da América Latina… O terror é o famoso Brigadeiro, porque parece que a corrida não acaba nunca”, brinca.

Sandra comemorou o aniversário de 45 anos correndo a primeira São Silvestre. Foto: Arquivo pessoal

A blumenauense também encontrou na corrida uma forma de manter a saúde física e mental. Há quatro anos, o exercício é uma forma de extravasar a ansiedade. Célio entrou no grupo no ano passado. De acordo com Sandra, o marido não gostava muito da atividade no início, mas aprendeu a gostar.

“Quem é corredor não pode deixar de participar pelo menos de uma São Silvestre. É como se fechasse o ano com chave de ouro. Além de acompanhar meu marido, que conseguiu superar a depressão através da corrida, também corri com esse grupo maravilhoso que é a Fonte Fitness”, conta.

Célio completou circuito pela primeira vez, Roseli pela terceira e Sandra pela segunda. Foto: Arquivo pessoal

Para Sandra, a São Silvestre é a melhor festa de aniversário que ela pode ter. Personagens fantasiados, todos animados e com direito a parabéns. “No ano passado meu grupo começou a cantar e toda aquela multidão entrou junto. Fico emocionada só de lembrar. E esse ano foi ainda mais especial porque meu marido foi junto”.

Paixão de família

A inspiração para começar a correr foi a irmã, Roseli Reichert Passold, de 55 anos. Moradora do Ribeirão Fresco, atualmente ela participa de um grupo de Pomerode chamado Motiva, mas já foi integrante do Fonte Fitness. Esta foi sua terceira participação na São Silvestre.

“Fazer a prova é  fechar o ano como um presente para a minha saúde. Sempre sonhei em realizar uma São Silvestre e quando completei 50 anos estava na hora de uma provação.  Correr tira qualquer dor, seja ela emocional ou física”, relata.

Sandra se inspirou na irmã, Roseli, para começar a correr. Foto: Arquivo pessoal
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo