Com as medidas exatas em mãos, a linha é posta, a costura inicia e as roupas vão tomando forma. É dessa maneira que trabalha um alfaiate, profissão antiga e cada vez mais difícil de se encontrar. Até porque o trabalho sofisticado e diário de um alfaiate já não é mais visto tão frequentemente como tempos atrás. Com o desenvolvimento das indústrias, a busca por este tipo de profissional foi diminuindo.

Em Blumenau, ao menos dez pessoas ainda atuam na profissão. Um deles é José Pedro Garcia, de 68 anos. Nascido em Nova Trento, em 1973 ele “deixou a roça”, como gosta de dizer, e veio para Blumenau para aprender a alfaiataria com um primo. Depois, foi se aperfeiçoando com outros profissionais.

Com um aprendizado rápido, em menos de um ano, já em 1974 , ele abriu o próprio negócio, que existe até hoje: o Garcia Alfaiate, localizado na rua dos Caçadores, no bairro Velha.

“Antigamente a juventude era mais vaidosa, vamos dizer assim. Eles gostavam sempre de aparecer com calças novas e sob medida. Por qualquer motivo eles mandavam fazer. Então eu fazia muita roupa”, destaca Garcia.

Com as medidas, o alfaiate corta o tecido que será se transformará em roupa. Foto Jotaan Silva / O Município Blumenau

Segundo ele, os clientes atuais são diversos, desde os mais fiéis de vários anos até os recentes, que ele chama de “mais vaidosos”, porque preferem uma roupa sob medida.

Porém, a diminuição da demanda, devido à industrialização e facilidade das pessoas encontrarem roupas nas lojas, fez com que algumas coisas mudassem na carreira de Garcia. O modo de atender, por exemplo, já não é em horário comercial, mas apenas em hora marcada.

Além disso, ele fala sobre a “extinção” do alfaiate, que acredita estar próxima no país. “Eu tenho 68 anos e sou um dos mais jovens aqui da região. Em alguns anos, não vai mais existir alfaiate no país, eu acredito. E não acho que seja por falta de clientes, porque sempre vão existir, mas é a falta de interesse dos mais novos em aprender a profissão”, lamenta.

Garcia é formado em Direito e pós-graduado em docência no ensino superior, ou seja, poderia ser professor em faculdades e universidades. Porém, desde sempre se dedicou somente ao ofício de alfaiate, seu único trabalho na vida.

Até porque, segundo ele, no passado ganhou muito dinheiro, chegando a conseguir comprar o Fusca – que ele tanto se orgulha – com o que recebeu em 20 dias de trabalho.

“Eu chegava a fazer um terno por dia. Fazia de quatro a cinco peças de roupa diariamente. Cheguei a ter dois funcionários trabalhando comigo. Consegui ganhar muito dinheiro em uma época”, afirma.

Formações, terreno, moradia, imóveis que atualmente aluga para ajudar na renda mensal, tudo foi conquistado através do orgulhoso trabalho como alfaiate. Mas, para ele, essa fase mudou bastante, por isso, atualmente ele vive bem, se sustenta, mas deixa claro: “ninguém fica rico sendo alfaiate aqui no Brasil, não. Pode até ficar em Roma, Paris, mas aqui não”.

Garcia já teve dois empregados, mas hoje trabalha sozinho. Foto: Jotaan Silva

Mesmo assim, diante das dificuldades, dos altos e baixos da carreira, José Pedro Garcia seguirá até o fim sendo alfaiate, com o orgulho de saber que o trabalho ainda tem seu valor.

“Olha, antigamente até pensei em mudar de carreira, mas como ganhei muito dinheiro fiquei. Hoje não tem nem como mudar, né? Se me orgulho? Com certeza, por tudo que conquistei, onde cheguei, não tem como dizer o contrário”.

Deixe uma resposta