Após dois anos sem acontecer oficialmente por conta da pandemia de Covid-19, a Gincana Cidade de Blumenau (GCB) voltará a ser realizada neste ano, e já tem data marcada. No fim de semana dos dias 10 e 11 de setembro a cidade será palco para o tão aguardado retorno da gincana.

Ainda que as ações solidárias não tenham parado durante o período pandêmico, as provas mais aguardadas, como a da madrugada, por exemplo, não podiam acontecer para evitar aglomerações e preservar a saúde dos gincaneiros.

No entanto, com o avanço da vacinação e, consequentemente, a diminuição dos casos da doença, a Liga dos Gincaneiros determinou que em 2022 o evento já pode voltar a movimentar a cidade de Blumenau.

Equipes da GCB reunidas em 2018. Foto: Daniel Zimmermann.

Os desafios e o espírito gincaneiro

De acordo com o vice-presidente da Liga dos Gincaneiros, Ricardo Caresia, por conta da situação atípica que assolou os dois últimos anos, as equipes precisaram se reinventar para se manterem ativas. A estrutura teve que ser reduzida e os eventos que eram comumente realizados pelos times precisaram ser repensados.

Contudo, o espírito competitivo e determinado dos gincaneiros fez com que eles resistissem aos obstáculos. De acordo com Ricardo, apesar de o número de integrantes ter reduzido, a GCB não perdeu nenhuma equipe durante a pandemia. Além disso, com o retorno das atividades, a Liga está trabalhando em uma renovação, com o intuito de estimular a participação de novos integrantes nela.

Gincaneiros vencendo uma das edições da GCB. Foto: Arquivo pessoal.

A volta da gincana

Nesta edição, a gincana não acontecerá mais na Vila Germânica, por questões de datas. Cada equipe terá seu “QG” externo e a Comissão de Provas ainda está definindo onde se localizará. Porém, Ricardo afirma que, dessa vez, poucas provas poucas serão entregues na sede da comissão e a gincana contará com mais locais espalhados pela cidade.

No momento, a competição já está em andamento. A tradicional prova do vídeo já foi realizada, algumas charadas estão sendo encaminhadas para aquecer os participantes e as provas sociais estão acontecendo e mobilizando as equipes.

“Foi muito bom voltar a esse ambiente da gincana, agora já estamos no ritmo de novo. Está sendo revigorante reunir as equipes, fazer discussões em cima de possibilidades, relembrar a sensação de decifrar as provas. Confesso que nem eu sabia que estava com tanta saudade”, compartilha o vice-presidente da Liga, Ricardo Caresia.

Edição da gincana de 2012. Foto: Redes sociais.

Equipes participantes

O número de participantes varia de acordo com cada equipe, entretanto, o mínimo é 30 integrantes em cada time. No total, a gincana costuma movimentar de 300 a 400 pessoas durante o ano, enquanto no fim de semana de setembro o número sobe para cerca de 500 a 600 gincaneiros.

Esta edição da gincana contará com oito equipes participantes, são elas:

Amigos do Barney

Em 2002, um grupo de amigos do ensino médio que costumava se encontrar no antigo Observatório Social de Blumenau, decidiu entrar para a gincana da cidade.
Com 20 anos de história e quatro títulos conquistados, a Amigos do Barney continua firme e muito apaixonada pela GCB. Mais de 300 integrantes já passaram pela equipe azul e deixaram sua marca na história da competição.

Arromba

Em uma aula de inglês, há 22 anos, a equipe Arromba foi criada. O que no início era apenas um pequeno grupo de amigos, atualmente é um time que conquistou cinco títulos da GCB. A equipe é conhecida pela cor laranja e por seu mascote – a Formiga Arrômbica.

Capitão Caverna

A equipe Capitão Caverna nasceu no mesmo ano que a GCB, em 1993. Com sete títulos conquistados, esta é a única equipe que participou de todas as edições da gincana.

Inicialmente, a Capitão Caverna consistia em um grupo de amigos que promoviam encontros semanais apenas para descontrair. Contudo, com o surgimento da competição, decidiram participar para se divertirem.

Coringas

Em 2004 anos alguns adolescentes resolveram fazer sua própria equipe de gincana. Exceto alguns pais e mães, todos os integrantes estavam na faixa dos 18 anos, e os primeiros coordenadores da equipe participavam das reuniões da Liga dos Gincaneiros ainda com uniforme do colégio.
Em 18 anos de história muita coisa mudou, menos o lema do grupo, que é “Raça, Força e União”. O time amarelo enfatiza que antes de ser uma equipe de gincana, a Coringas é um grupo de amigos marcado por essas três características.

 

View this post on Instagram

 

Uma publicação compartilhada por (@equipecoringas)

Lambda Lambda

A equipe Lambda-Lambda nasceu em 1995, composta basicamente por jovens da área de Tecnologia da Informação (TI). Para a equipe, o mais importante sempre foi a amizade, a informalidade e a brincadeira saudável entre os gincaneiros.
O nome Lambda-Lambda, foi inspirado no filme “A vingança dos Nerds”, dos anos 80. Na obra, dois nerds que eram excluídos pelos alunos de uma faculdade americana, por não terem o perfil atlético exigido, resolvem fundar sua própria fraternidade.

Mik Dundee

Fundada em 2000, a Mik Dundee, equipe marcada pela camiseta rosa, sempre foi famosa pela alegria, amizade com as outras equipes e espírito de gincana.
O nome da equipe foi inspirado no protagonista do filme Crocodilo Dundee, que conta a história e aventuras de um caçador de crocodilos que vivia na Austrália e viajou para Nova Iorque.

Tribo dos Anjos

A Tribo dos Anjos foi formada em 2002 por um grupo de amigos, e permanece até hoje na Gincana Cidade de Blumenau. Sempre muito ativa na sociedade, é conhecida por ser uma das equipes que faz o maior número de doações de sangue.

Safari

A equipe Safari iniciou em 1999, através de um grupo de seis amigos que compartilhavam do mesmo espírito de união, diversão e ajuda ao próximo. Com três títulos na história, a Safari procura sempre se fortalecer através dos seus integrantes mais antigos.

Expectativas para a competição

Ricardo conta que as equipes estão muito animadas para essa retomada e que desde o início de 2022, com a definição de que a gincana iria acontecer, as equipes vêm fazendo treinamentos internos com seus integrantes, além dos tradicionais eventos de “hamburgadas”, feijoadas, pasteladas, etc.

Uma das feijoadas organizadas pela GCB em edições anteriores. Foto: Arquivo pessoal.

A expectativa do vice-presidente da Liga dos Gincaneiros e de todos os organizadores para este ano é uma gincana forte, como sempre foi. A intenção é que seja uma disputa saudável, em que as equipes vão buscar muito conhecimento para decifrar as provas.

Ricardo Braço é gincaneiro desde 1999 e fala sobre como estão as expectativas dos participantes para esta edição: “Foi muito complicado ficar dois anos sem a competição pois era algo que fazia parte do nosso cotidiano. Por isso, esse ano esperamos uma gincana diferente e muito competitiva”.

Gincaneiros reunidos na GCB de 2012. Foto: Arquivo pessoal.

A experiência de ser um gincaneiro

Dentre as motivações que fazem as pessoas quererem ser parte da gincana, está a grande oportunidade de conhecer pessoas, formar amizades, ajudar a transformar a cidade em um ambiente mais saudável e a chance de aprender coisas novas.

“Os integrantes formam uma grande irmandade, tanto dentro das equipes quanto entre as equipes”, afirma o vice-presidente da Liga dos Gincaneiros.

Gincaneiros reunidos na GCB. Foto: Arquivo pessoal.

Conforme explica Ricardo, a gincana ensina muito sobre trabalho em equipe, uma vez que é necessário aprender a lidar com personalidades diferentes que buscam o mesmo objetivo, e sobre liderança, afinal, os participantes precisam dar e receber orientações para conseguirem se organizar e cumprirem as provas.

“Aprendi muito sobre liderança quando fui presidente de uma equipe de mais de 100 pessoas que buscavam um único objetivo. Vejo reflexos dessa experiência no meu atual cargo profissional, inclusive”, explica Ricardo, que atualmente atua como coordenador de Engenharia em TI.

No entanto, de acordo com o vice-presidente da Liga, o maior aprendizado que a GCB proporciona é a união para buscar a vitória, mas também a consciência de que ela não pode ser conquistada a qualquer custo.

Equipes da GCB empenhadas na campanha para doação de sangue. Foto: Arquivo pessoal.

Como participar da gincana

Os interessados em se tornar gincaneiros e vivenciar as experiências que esse universo proporciona, ainda porem integrar a competição deste ano. O processo é muito simples, basta encontrar uma equipe que se identifique e começar a participar das reuniões e eventos produzidos por ela.

Menores de idade podem participar da gincana mediante autorização expressa dos pais e/ou responsáveis. Os menores de 14 anos deverão estar acompanhados dos responsáveis no evento.