Ministério Público Federal recebe denúncia contra Luciano Hang

Alegação é de que empresário pressiona funcionários a votar, o que ele nega

Ministério Público Federal recebe denúncia contra Luciano Hang

Alegação é de que empresário pressiona funcionários a votar, o que ele nega

O Ministério Público Federal (MPF) recebeu denúncia contra o dono das lojas Havan, Luciano Hang, na tarde desta segunda-feira, 1. A queixa é de que ele supostamente está pressionando funcionários a votar nas eleições do dia 7 de outubro, após identificar que parte dos trabalhadores informou que votarão em branco ou anularão o voto. Ele nega que há coação.

De acordo com a assessoria de comunicação do MPF, a denúncia chegou por meio do Serviço de Atendimento ao Cidadão. Ela deverá ser enviada ao procurador eleitoral. Como o caso é recente, não há detalhes.

A denúncia foi feita depois que um vídeo do empresário falando aos funcionários repercutiu no país. Nele, Hang diz que o PT e partidos de esquerda são direcionados ao “comunismo do mal”.

O empresário diz que foi feita uma pesquisa interna que apontou que 30% dos funcionários da Havan ainda votariam em branco ou nulo. Hang afirma que é uma responsabilidade votar. “Depois não adianta mais reclamar. Se você não for votar, se anular o seu voto, se votar em branco, e depois do dia 7, lamentavelmente, ganha a esquerda e nós viramos uma Venezuela, vou dizer para vocês: até eu vou jogar a toalha”, diz Hang.

Na parte final do vídeo, o empresário afirma que o plano de expansão da rede pode ser repensado se o PT ou “a esquerda” vencer as eleições. “Se não abrir mais lojas e se nós voltarmos para trás, você está preparado para sair da Havan? Está preparado para ganhar a conta da Havan? Você, que sonha em ser líder, gerente, crescer com a Havan, já imaginou que tudo isso pode acabar no dia 7 de outubro?”.

Sem citar Hang, o Ministério Público do Trabalho (MPT) emitiu uma nota após o vídeo, também na segunda-feira. De acordo com o comunicado, a prática pode caracterizar discriminação em razão de orientação política, irregularidade trabalhista que pode ser alvo de investigação e ação civil pública por parte do MPT.

Para o procurador-geral do trabalho, Ronaldo Curado Fleury, a interferência por parte do empregador sobre o voto de seus empregados pode, ainda, configurar assédio moral.

“Se ficar comprovado que empresas estão, de alguma forma e ainda que não diretamente, sugestionando os trabalhadores a votar em determinado candidato ou mesmo condicionando a manutenção dos empregos ao voto em determinado candidato, essa empresa vai estar sujeita a uma ação civil pública, inclusive com repercussões no sentido de indenização pelo dano moral causado àquela coletividade”, explica Fleury.

Resposta
Por meio da assessoria de imprensa, o empresário informa que “tem o direito de expressar a opinião e jamais coagiu colaborador nenhum. Se o país voltar a ser o que era, se voltar a esquerda, os empreendedores não vão voltar a existir no Brasil, vão deixar de gerar empregos. A gente ainda não é uma Venezuela, a gente não quer ser uma Venezuela”.

Ainda de acordo com a assessoria, “a Havan é muito transparente, principalmente o Luciano. Nenhuma empresa no Brasil ou no exterior tem tanto contato com o colaborador como o Luciano tem. A Havan é um exemplo de transparência e democracia. Não tem nada de coação de colaboradores”.

Mais notícias da região

Prefeitura reduz equipe do Samu de Blumenau por falta de ambulância
Blumenau registra temperatura de verão em outubro
Eleitores não podem ser presos a partir desta terça-feira

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo