A falta de comunicação com a comunidade sobre situações pontuais encontradas no Badenfurt foi o destaque da primeira reportagem do especial “Pelos Bairros” do jornal O Município Blumenau.

Situações como rua fechada pela metade, obra atrasada, ponte retirada e não reconstruída e falta de espaço no Ambulatório Geral são alguns dos problemas relatados pelos moradores e que faltavam esclarecimentos do poder público.

Confira as situações apontadas pela comunidade.

A rua Germano Kulhmann é uma transversal da rua Johann Sachse, uma das “gerais” do Badenfurt. Após ter parte da via pavimentada – pago pela comunidade -, um trecho de aproximadamente 70 metros continuou no barro.

Mesmo assim, esse pequeno trecho rodeado de área verde continuava tendo o trânsito de veículos normalmente. Porém, no ano passado, após um rompimento de uma tubulação,  pequena parte da rua cedeu. Com isso, ficou arriscado para a passagem de carros.

“Ali passava todo tipo de carro, caminhão, van escolar… Mas depois disso ficou perigoso, aí ligamos para a prefeitura. Queríamos que eles arrumassem, porque não é tão grande, mas demorou muito, até que um dia vieram umas máquinas e fecharam a rua no meio”, apontou José Lunard, morador da rua Germano Kuhlmann.

Barreiras foram colocadas para evitar o trânsito de carros. Foto: Jotaan Silva / O Município Blumenau

Com os cerca de 70 metros fechados, a via agora é separada em duas. Uma parte dos moradores entra por um lado e uma parte por outro, Segundo Lunard. Além disso, várias pessoas precisaram mudar as rotas diárias e dar voltas maiores para acessar a Johann Sachse.

“Sem falar nos motoristas de Uber que vem por aqui, chega ali e fica sem entender, porque vem pelo GPS né, e no GPS a rua continua. Todo dia tem vários, que daí precisam dar a volta, ficam perguntando pra gente como chega no outro lado”, relatou Lunard.

Enquanto a nossa reportagem estava no local, um motorista de aplicativo passou por esse problema. Chegou e teve que dar meia volta, pois não tinha como acessar a “outra parte” da Germano Kuhlmann.

Um vídeo mostra o trecho que está fechado, confira:

Em resposta, a Defesa Civil de Blumenau informou que a interdição da via aconteceu por uma questão de segurança. Além disso, não há ainda respostas para o que pode ser feito no local, mas já existe um projeto em andamento para ser encaminhado a Secretaria Nacional de Defesa Civil.

Moradores do Badenfurt, da região conhecida como Jardim 1 e Jardim 2, costumavam utilizar uma pinguela – ponte de madeira – para atravessar até a rua Werner Duwe, ao lado de um crematório de animais. Além da travessia, a ponte também era alvo frequente de reclamações, pela falta de manutenção.

A ponte antes de ser retirada pelo município. Foto: Google Street View

O resultado disso foi, primeiramente, a interdição da ponte para manutenção, e na sequência, segundo a prefeitura, a retirada dela do local para segurança dos moradores. Ao mesmo tempo, veio a promessa de que outra estrutura seria construída. No entanto, os meses se passaram e até o momento não há uma nova travessia.

“Muita gente passava por ali, trabalhadores e principalmente os alunos de uma escola aqui perto. Agora precisam dar uma volta bem maior para atravessar esse trecho. E ainda nem sabem quando ou se uma ponte nova vai ser mesmo erguida”, afirmou o presidente da Associação de Moradores e Amigos do Badenfurt (Amaba), Jonatan Borges Severino.

Apenas a estrutura que sustentava a ponte ficou. Foto: Jotaan Silva / O Município Blumenau

Em nota, a Prefeitura de Blumenau informou que já está licitando o projeto de uma nova ponte para o local, que comporte também a passagem de carros. Segundo o executivo municipal, assim que tiverem o retorno desse projeto, se dará início a busca de recursos para viabilizar a obra. Ainda não há prazo para que isso aconteça.

Em junho de 2018 a obra para a construção do Centro de Iniciação ao Esporte (CIE) teve seu início. Localizada na rua Ana Felisbino, ao lado da Escola Básica Municipal Paulina Wagner, o terreno começava a dar lugar a uma estrutura de 1.820 metros quadrados, com capacidade para 177 pessoas na arquibancada.

Segundo anúncio, o complexo – quando finalizado – terá academia, vestiários, chuveiros, enfermaria, banheiros, sala de professores, administração, depósito e copa. Para tudo isso, o investimento é de R$ 2.968.517,82, por meio de um convênio feito pela Prefeitura de Blumenau, Caixa Econômica e Ministério do Esporte.

Placa aponta prazo de 14 meses para obra. Foto: Jotaan Silva / O Município Blumenau

Quando iniciada, a expectativa era entregar o centro em 14 meses, ou seja, agosto de 2019. Porém, estamos em março de 2020 e a obra ainda não está concluída. Aliás, segundo a própria Prefeitura de Blumenau, está apenas com 47% da execução concluída.

“As crianças usavam para fazer educação física, depois que começou a obra, pela segurança, não puderam mais, mas a obra tá andando bem devagar. Sempre tem alguém, mas tá indo a passos de tartaruga”, apontou uma funcionária da escola, que não quis se identificar.

Apenas três pessoas trabalhavam no local quando a reportagem visitou a obra. Foto: Jotaan Silva / O Município Blumenau

Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria da Educação informou que já notificou a empresa responsável pela obra por conta dos atrasos. Além disso, destacou que os serviços estão continuando e que o prazo atual de entrega é 30 de julho, mas que deve ser prorrogado até o fim deste ano.

Todos os moradores do Badenfurt são atendidos em um único posto de saúde que existe no bairro: o Ambulatório Geral Dr. Diogo Vergara. Esse acúmulo de pessoas é a principal queixa dos pacientes com a unidade.

“Sempre que eu preciso vir aqui é essa fila toda. Hoje por exemplo to esperando aqui fora no calor, porque lá dentro não tem mais lugar pra sentar”, conta Marcelo Vieira, que estava acompanhando a esposa em atendimento.

Comunidade reclama do pequeno espaço para atender o bairro inteiro. Foto: Jotaan Silva / O Município Blumenau

Outra situação em que a comunidade pede atenção do poder público é na acessibilidade nos banheiros. O presidente da Amaba, Jonatan Borges Severino, conta que nas reuniões que acontecem na unidade de saúde, o tema quase sempre é colocado em pauta.

“Não tem banheiro para deficientes, para cadeirantes. É uma situação básica que deveria ter a atenção do município, mas não tem. Além disso, lá fora no estacionamento faltam placas para sinalizar. É uma bagunça, um carro entra e sai por onde ele acha que é o certo”, destacou.

A unidade possui um banheiro masculino e um feminino, nenhum com acessibilidade. Foto: Jotaan Silva / O Município Blumenau

Por meio de assessoria de imprensa, a Secretaria de Saúde informou que cada região sanitária de Blumenau possui um AG e algumas alguns postos, conhecidos como Estratégia Saúde da Família (ESF). No caso do Badenfurt, além do AG citado na reportagem, existem nos arredores e bairros vizinhos outras cinco unidades de saúde, sendo quatro na Itoupavazinha e um no Salto do Norte.

Em relação a estrutura física, segundo a Semus, o espaço será ampliado e terá a instalação de banheiros acessíveis. Além disso, a prefeitura informa que já possui um terreno para a construção de um novo AG na região, com projeto pronto e expectativa de abertura de licitação em breve. Confira a nota na íntegra:

A reforma da unidade do AG do Badenfurt, que prevê a ampliação do espaço físico para a instalação de sanitários acessíveis, será realizada por meio de um convênio com o governo do Estado, por meio de emenda parlamentar. A Semus está aguardando a assinatura do convênio (para a liberação de recurso financeiro), para então ter a elaboração de documentação técnica e processo licitatório para contratar a empresa para execução.

Concomitantemente há um projeto para a construção de um novo Ambulatório na região. A prefeitura já tem um terreno para receber a nova unidade. Na semana passada foi finalizado o termo de referência para a contratação de projetos executivos. Após essa etapa, será feito o processo licitatório para a contratação de empresa que irá elaborar os projetos e toda a documentação técnica, inclusive o orçamento e cronograma.

A sensação de segurança é o que a maior parte da população quer. No bairro Badenfurt isso não é diferente. Quando questionados sobre os anseios da comunidade, a maioria sempre destaca: mais segurança com mais policiais e mais rondas.

Na rua Henrich Hemmer, por exemplo, uma situação vem sendo alvo de preocupação dos moradores e comerciantes. A rua é alvo frequente de furtos e crimes, trazendo à tona aquela sensação de insegurança.

Por isso, os moradores montaram um grupo de whatsapp para tentar implementar, juntamente com a Polícia Militar, a Rede de Vizinhos. Entretanto, por conta grandeza da rua, não chegaram aos 75% de moradores da via interessados em participar, o que inviabilizou o processo.

Imagem ilustrativa. Fonte: Reprodução / Viver Bom Retiro

Também envolvido nesses trâmites, o presidente da Amaba lamenta a dificuldade em conseguir viabilizar o projeto na rua.

“É complicado, já tentamos dividir no meio, para fazer apenas aquela parte mais preocupada aderir, mas mesmo assim não conseguimos. É ruim porque é difícil ver viaturas passando por aqui, falta aquela sensação de segurança”, destacou Severino.

O Tenente da Polícia Militar de Blumenau, Nícolas Vasconcelos, contou que a situação de não ter o número de adeptos necessários para a implementação do programa não é algo atípico.

“Em situações de ruas grandes acabamos dividindo em blocos, mas mesmo assim cada bloco precisa ter 75% de interesse e participação dos moradores. Eles precisam participar, se não o programa não dá resultado e começam a desacreditar nele, não dá pra fazer em qualquer lugar”, destacou Vasconcelos.

A orientação da PM, é que a comunidade consiga se organizar melhor para ter os requisitos mínimos para a implementação do programa.