Polícia prende quatro pessoas e esclarece o que motivou a morte de médico, em Timbó

Uma quinta pessoa continua foragida

Polícia prende quatro pessoas e esclarece o que motivou a morte de médico, em Timbó

Uma quinta pessoa continua foragida

Evandro de Assis

Colaborou Danubia de Souza

Quatro pessoas foram presas pela Polícia Civil de Timbó por suspeita de participação na morte do médico anestesista Cleonildo de Oliveira, de 64 anos. O delegado Raphael Souza Werling de Oliveira, responsável pelo caso, atendeu a imprensa na tarde deste sábado, 23, e explicou a investigação que culminou nas prisões. Uma quinta pessoa continua foragida.

De acordo com o delegado, Cléo, como era conhecido em Timbó, foi morto na madrugada de 16 para 17 de junho (sábado para domingo). Uma mulher, que está entre os quatro detidos, o teria atraído até uma casa. Há imagens de câmeras de segurança que mostram os dois na garagem do imóvel. No local, o médico foi rendido por outros assaltantes.

Segundo o delegado, o bando inicialmente pretendia sacar dinheiro da conta bancária de Cléo. Porém, eles teriam perdido o controle da situação e agrediram a vítima até a morte. Ainda não está claro como ele foi assassinado.

Além da mulher, que seria a mentora intelectual do crime, três homens já foram detidos. Um quinto já foi identificado, mas está foragido. As prisões são todas temporárias, mas podem ser convertidas em preventivas no decorrer do inquérito e do provável processo judicial que será aberto.

Buscas no Morro Azul

As buscas pelo corpo do médico Cleonildo de Oliveira começaram já no domingo passado, quando o carro dele, um Land Rover, foi encontrado nas proximidades do Complexo Esportivo de Timbó. Segundo a Polícia Civil, os bandidos tentaram queimar o corpo.

Os bombeiros chegaram a fazer varreduras com uma embarcação no rio Benedito Novo. No entanto, o corpo estava na região do Morro Azul, na divisa com Pomerode, e foi localizado com a ajuda de cães farejadores. Conforme o delegado, um dos suspeitos presos confessou participação no crime e indicou o local onde os criminosos ocultaram o cadáver.

Cleonildo de Oliveira era natural de Maceió, Alagoas, e morava em Timbó há mais de três décadas. Ele trabalhava como anestesista no Hospital Oase.

Arquivo Pessoal
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo