Vigilância epidemiológica toma novas medidas para combate à dengue

Blumenau já registrou o mesmo número de casos em 2019 que no ano passado inteiro

Vigilância epidemiológica toma novas medidas para combate à dengue

Blumenau já registrou o mesmo número de casos em 2019 que no ano passado inteiro

Alice Kienen

O prefeito Mário Hildebrandt (sem partido) se reuniu com 35 servidores da vigilância epidemiológica na manhã desta terça-feira, 23, para discutir a situação da dengue em Blumenau. Após o decreto de situação de emergência na cidade de Itajaí e uma morte por Chicungunha em Jaraguá do Sul, a preocupação com os focos em Blumenau aumentou.

A reunião foi convocada durante a tarde desta segunda e previa a possibilidade de um decreto em relação aos terrenos baldios da cidade. Entretanto, a prefeitura concluiu que a situação de Blumenau ainda está controlada e decidiu reforçar o trabalho de prevenção.

“Há um aumento de focos e estamos preocupados. Por isso a perspectiva de envolver a comunidade para que eles entendam o papel dos nossos agentes na visita, na orientação, no acompanhamento e também no combate aos focos”, explica o prefeito.

De acordo com a coordenadora de prevenção e combate a dengue, Eleandra Cassini, o número de focos da dengue em Blumenau já quase duplicou entre o ano passado e 2019. São 139 locais onde mosquitos aedes aegypti foram encontrados em Blumenau neste ano. Entretanto, não é possível definir se eles estão contaminados ou não. Por isso, a prioridade é a prevenção.

“As regiões em que temos mais focos são na Proeb, no Salto do Norte e na Itoupavazinha. Não que a gente não tenha focos na cidade toda, mas essas são as regiões mais preocupantes hoje”, explica

A maior preocupação da vigilância e da prefeitura é garantir que os moradores de regiões onde há o foco da doença recebam os agentes e entendam a necessidade de combater a dengue. Segundo o prefeito, algumas pessoas barram o acesso dos funcionários e geram dificuldade no trabalho da vigilância.

“Normalmente eles vão nos locais onde o foco já está acontecendo, então ele precisa ser monitorado num raio de 300 metros. Todas as casas e locais precisam ser orientados para que o foco não se alastre”, aponta o prefeito.

Além da conscientização da população e capacitação dos agentes para que eles possam atuar ativamente na prevenção, a prefeitura de Blumenau também irá investir em um novo drone para auxiliar no controle dos focos da doença.

“Os terrenos baldios estão sendo mapeados e acompanhados, não há um problema grave. Se necessário, a vigilância será acionada e poderá decretar situação de adentrada ou acompanhamento destes locais”, justifica Hildebrandt.

Eraldo Schnaider/Divulgação

Casos da doença

Até o momento, dois casos de dengue foram confirmados em 2019. Um homem e uma mulher pegaram a doença fora do município e buscaram tratamento em Blumenau. Outros vinte possíveis casos estão sendo investigados pela vigilância epidemiológica.

No ano passado, duas pessoas foram acometidas pela dengue na cidade. Ambos haviam contraído a doença fora de Santa Catarina.

Cuidados da comunidade

A prioridade da vigilância epidemiológica é garantir que toda a população previna a disseminação da doença. Além de sempre utilizar o repelente, é necessário que as pessoas eliminem todos os reservatórios.

“A gente conta como reservatório desde uma piscina até uma tampinha de refrigerante. São todos os locais em que é necessário verificar”, destaca Eleandra.

Folhas paradas no jardim e calhas também preocupam os agentes. Um dos maiores problemas são as bromélias, um grande foco da doença. O ideal é que elas sejam removidas.

“É uma planta bonita, mas que retém muita água. Ela é um reservatório natural. Já encontramos focos nas plantas. É necessário fazer ducha ao menos duas vezes por semana, ou retirar as bromélias”, explica a coordenadora.

A infestação em diversas cidades da região causa outro problema, que é a possibilidade da proliferação de mosquitos infectados por meio dos veículos. A vigilância epidemiológica aconselha que todos verifiquem o interior dos seus casos e sempre utilizem o repelente.

“Se existe qualquer risco de ter contraído a doença, faça a utilização de repelente, para nem correr o risco de proliferar doenças. O mosquito está na cidade, então o vetor está aqui. O cuidado é primordial nesse momento”, enfatiza.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo