Caso MC Trans: atendente de hotel de Blumenau é indiciado por transfobia

Caso aconteceu no Hotel Salto do Norte

Caso MC Trans: atendente de hotel de Blumenau é indiciado por transfobia

Caso aconteceu no Hotel Salto do Norte

Marlos Glatz

A Polícia Civil, por intermédio da Delegacia de Repressão ao Racismo e a Delitos de Intolerância da DEIC, concluiu na manhã desta terça-feira, 7, a investigação sobre a transfobia sofrida pela cantora MC Trans. O caso aconteceu no mês de outubro no Hotel Salto do Norte.

A investigação resultou no indicamento do atendente do hotel, de 55 anos, pela prática do crime de recusar hospedagem em hotel por motivo de racismo, resultante de transfobia.

Caso

A vítima, de 35 anos, estava em Blumenau acompanhada de seu noivo para a realização de um procedimento estético, quando teria tido a hospedagem recusada no hotel por ser mulher transexual. Os fatos foram captados pelo sistema de videomonitoramento do local, o que auxiliou na identificação do autor. As filmagens da artista também ajudaram.

O procedimento estético em questão era peeling de fenol – procedimento estético que promove rejuvenescimento facial de uma forma mais natural – na Transgender Center Brazil. MC Trans já havia vindo para Blumenau outras vezes e participou da Oktoberfest.

O inquérito policial ainda apurou que o recepcionista, ao perceber que a cliente era transexual, mudou sua postura perante os clientes e alegou que não poderiam se hospedar ali mesmo possuindo reserva, haja vista o “perfil conservador do estabelecimento“, bem como pelo “histórico de transtornos causados pelo ponto de prostituição de travestis que fica próximo”.

O atendente foi indiciado e o procedimento concluso remetido ao Juízo Criminal da Comarca de Blumenau, passando em seguida pela análise do Ministério Público.

Racismo

De acordo com a Polícia Civil, é importante ressaltar que o Supremo Tribunal Federal, na Ação Direita de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) n. 26, prelecionou que as práticas homotransfóbicas qualificam-se como espécies do gênero racismo, na dimensão de racismo social, pois se traduzem em atos de segregação que inferiorizam membros integrantes do grupo LGBTQIA+, em razão de sua orientação sexual ou de sua identidade de gênero, adequando-se tipicamente, portanto, aos crimes descritos na Lei Antirracismo.

Leia também:
1. Homeschooling: lei que permite ensino domiciliar em SC é declarada inconstitucional
2. Suspeito de assassinar homem em Blumenau é preso
3. Aposta do Alto Vale acerta todos os números e ganha mais de R$ 869 mil na Lotofácil
4. VÍDEO – Veterinária denuncia possíveis maus-tratos em pet shop de Gaspar
5. VÍDEO – Homem supostamente em surto impede passagem de veículos no pedágio da BR-101, em Porto Belo


– Assista agora:
André Espezim comenta sobre carreira, política e próximos projetos

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo