Décio Lima: “Os acontecimentos são favoráveis à percepção de que eu estava certo”

Ex-prefeito e candidato ao governo, petista diz que partido teve dificuldade para fechar coligações devido ao cenário nacional

Décio Lima: “Os acontecimentos são favoráveis à percepção de que eu estava certo”

Ex-prefeito e candidato ao governo, petista diz que partido teve dificuldade para fechar coligações devido ao cenário nacional

Evandro de Assis

Décio Lima esbanja confiança na condução do projeto eleitoral do Partido dos Trabalhadores em Santa Catarina. Ele aposta que a crise política nacional beneficiará sua candidatura a governador, e não o contrário.

O ex-prefeito de Blumenau crê que a cidade o verá como um representante local na eleição e vai preferir ter um governador em lugar de um vice, em referência aos adversários blumenauenses em outras chapas.

Décio resgata a vitória improvável na eleição municipal de 1996 para projetar um futuro vitorioso na disputa estadual de 2018, ainda que o PT concorra em chapa pura, sem alianças.

Leia também: “Ex-prefeitos de Blumenau derrubam o mito da falta de representatividade”

O Município Blumenau – Como o senhor encara o desafio de voltar a disputar um cargo no Executivo?

Décio Lima – Tenho uma experiência de 10 anos de Executivo, oito de prefeito e dois no Porto de Itajaí, que se transformou no porto cinco estrelas do Brasil. Quando deixei a prefeitura, constatado pelo Ibope, saí com 85% de aprovação. Isso me traz uma afirmação muito positiva na condição de gestor público. Um homem da vida pública que recebeu uma cidade com três folhas de pagamento atrasadas, com uma ponte caída, a ponte do Tamarindo, uma cidade totalmente esquecida, que vivia no paralelepípedo e na lama. Fizemos um processo revolucionário do ponto de vista urbanístico. Além disso, um conjunto de valores que foram implementados, como o Banco do Povo, o Orçamento Participativo e sobretudo as públicas de inclusão social. O desafio para mim é muito tranquilo porque eu reúno uma certeza de sucesso na administração pública.

Por que o PT sai em chapa pura? Foi difícil estabelecer alianças em Santa Catarina neste ano?

Acho que o problema são os acontecimentos do Brasil. É impossível se abster de que todas as conjunturas nos estados foram tocadas por aquilo que aconteceu no Brasil. Havia pessoas que gostariam de estar conosco, mas neste momento estão envergonhadas, porque nos traíram. Da nossa parte também, a dificuldade de abraçar alguém que se desconfia. Mas, sobretudo, como Santa Catarina vive o fim do ciclo da tríplice aliança, o grande desafio nesse momento não são as aglutinações fisiológicas de partidos políticos, mas uma aliança com o povo catarinense e o seu futuro. Fui tocado por algo parecido quando o povo de Blumenau me elegeu prefeito da cidade. Ganhei uma eleição com um megafone e sete candidatos a vereador. E dos dois lados duas enormes coligações, cada uma com 120 candidatos a vereador. Naquele momento, o povo queria justamente encerrar a mesmice e o convencional. E acho que é o mesmo sentimento do povo catarinense. O povo vai fazer a opção: quer um governo igual ao Temer, ou um governo renovador?

Outros dois ex-prefeitos de Blumenau disputam os mesmos votos que o senhor. Como avalia o resultado das convenções para a cidade?

Acho que o povo de Blumenau nessa hora vai refletir se quer um governador que traga para a cidade, para a região, a caneta de governador, ou se vai querer ser coadjuvante nesse processo. Fico imaginando que Blumenau vai fazer a escolha de protagonizar a história de Santa Catarina. Não se vota em vice. Blumenau vai decidir se quer um governador seu, ou se vai preferir um de Xanxerê ou um de Rio Negrinho. Falo isso com as sandálias da humildade, sem qualquer soberba, mas isso é a racionalidade mínima. Tenho a plena convicção que Blumenau já me conhece, sabe os resultados que eu trouxe para a cidade como prefeito. A cidade não vai perder essa oportunidade histórica.

O senhor sente que o blumenauense enxerga a sua candidatura como representante da cidade?

É impossível você ser 100%. Mas se você visitar os bairros de Blumenau, os setores médios, os trabalhadores, o movimento sindical, né? A minha convenção passou de 3 mil pessoas, que estavam ali num processo de empolgação. É preciso que você saia na rua comigo. Os acontecimentos do Brasil hoje são favoráveis à percepção de que eu estava certo. Eu acredito que o povo de Blumenau não queria o Temer, não quer que acabe com a aposentadoria. O povo de Blumenau não está de acordo com as denúncias que foram arquivadas do Temer. Aliás, os dois outros candidatos têm as suas digitais nisso. Ou de seus partidos, ou diretamente. Nas duas coligações tem gente do Temer. O povo de Blumenau não deve estar gostando do andamento da BR-470, que há dois anos praticamente paralisou, né? Eu acho que essa discussão teve um momento de intolerância, eu senti isso na pele. Mas hoje, quando ando pela cidade de Blumenau, tem momentos que levo duas, três horas, se eu sair andando para chegar num determinado lugar, só recebendo o apoio do povo. “Olha, que luta bonita, continue assim, parabéns”. Com muita tranquilidade, eu acho que Blumenau está sentindo a dor dessa tragédia em que o Brasil se encontra.

Quais serão os temas principais de sua campanha?

Meu apelo é pela renovação. Sou o único que pode usar essa palavra. As outras duas candidaturas são de continuidade, ambas estão numa governança já há 16 anos, para não falar de três décadas. Acho que o sentimento do povo catarinense, há um apelo, isso é visível em todas as pesquisas, é de renovação. O estado é ausente. Não sou daqueles que defende o estado pequeno, de reduzir programas, eu quero um estado forte, presente na vida do povo. O primeiro ato meu vai ser o fechamento das chamadas agências de desenvolvimento regionais. Viraram geringonças de subdiretórios de partidos políticos. Quero ser um governador dos municípios catarinenses, que organize a verdadeira descentralização.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo