Número de infectados pelo vírus HIV diminui 16% em Blumenau

Em 2016, o espaço de tempo entre uma descoberta e outra na cidade era de menos de dois dias

Número de infectados pelo vírus HIV diminui 16% em Blumenau

Em 2016, o espaço de tempo entre uma descoberta e outra na cidade era de menos de dois dias

Julia Schaefer

O número de blumenauenses que descobrem ter o vírus HIV vem diminuindo nos últimos anos em Blumenau. Em 2016, 234 pessoas descobriram ser portadoras. Em 2017 o número caiu para 197, uma redução de 16%.

As boas notícias vão além. Neste primeiro semestre de 2018, apenas 60 novas pessoas descobriram portar o vírus. A tendência é que haja nova redução no acumulado do ano.

Outro dado reforça a tendência de redução: o número de testes de HIV feitos no Centro Especializado em Diagnóstico, Assistência e Prevenção (Cedap) vem crescendo.

Em 2016, 8.596 pessoas fizeram o teste. Em 2017, o número aumentou 28%, indo a 11.064. Ou seja, mais pessoas estão se submetendo à análise anualmente, e os números de infecção estão diminuindo.

Atualmente, 2.366 pessoas fazem o tratamento contra a Aids em Blumenau.

Aids entre jovens

No entanto, especialistas alertam que os números positivos não devem ser motivo para o relaxamento das pessoas, principalmente entre os jovens. De acordo com a enfermeira e coordenadora técnica do Cedap de Blumenau, Shirley Stringari, a faixa de idade que mais contraiu o vírus em 2017 foi entre 20 e 34 anos.

“As pessoas não têm aquela visão das que tiveram Aids na década de 80. Hoje em dia, como tem tratamento, as pessoas quase não vêem, e acabam esquecendo do que acontece”, afirma Shirley.

Por este motivo, segundo Shirley, o município tem aumentado as campanhas de prevenção durante todo o ano. Agora são mais frequentes as aparições em empresas da cidade, onde são desenvolvidas palestras alertando sobre os vírus infectocontagiosos.

Especificamente sobre os jovens, o Cedap pretende fazer um trabalho de conversas nas universidades.

Blumenau assina Declaração de Paris

Em junho, Blumenau e outras 11 cidades do estado assinaram a Declaração de Paris, um documento em que se compromete a acabar com a aids até 2030. O caminho para chegar lá é utilizar a meta 90-90-90 da Unaids.

Ela estabelece que, até 2020, 90% da população soropositiva tenha sido diagnosticada. Destas, 90% estejam em tratamento, e, destas, 90% tenham carga viral indetectável no sangue.

“Aqui em Blumenau não chega a 90% porque esta é uma meta bem audaciosa. Mas temos conseguido uns 80%”, acredita a coordenadora do Cedap.

Teste de HIV

Uma das ações que o município tem feito para melhorar os índices é descentralizar a testagem rápida para as unidades de saúde. Segundo Shirley, hoje alguns hospitais e clínicas, além dos ambulatórios gerais, estão fazendo o teste. A coordenadora afirmou que a ideia é que todas as unidades realizem o exame.

Para conseguir fazer com que as pessoas que possuem o vírus fiquem com carga viral indetectável, é necessário permanecer com o acompanhamento do Cedap. Lá há médicos infectologistas, assistentes sociais, psicólogos e enfermeiros que prestam atendimentos diariamente, de forma gratuita.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo