Polícia procura impressões digitais e imagens de autor de cartazes racistas

Delegado intimou a prestar depoimento homem preso por colar cartazes de Hitler em Itajaí

Polícia procura impressões digitais e imagens de autor de cartazes racistas

Delegado intimou a prestar depoimento homem preso por colar cartazes de Hitler em Itajaí

Danubia de Souza

A Polícia Civil procura pistas do autor, ou dos autores, dos cartazes racistas fixados em um poste e na parede da casa do advogado negro Marco Antônio André. Os folhetos surgiram no fim de setembro no bairro Ponta Aguda, em Blumenau. Até o momento, a investigação tenta desvendar o caso buscando impressões digitais, imagens de câmeras de segurança e depoimentos.

O inquérito tem até o dia 26 para ser finalizado. O próprio Secretário de Segurança Pública do Estado, César Grubba, pediu atenção especial para o caso, que teve repercussão nacional. Segundo o delegado responsável, Lucas Gomes de Almeida, várias pessoas foram intimadas a prestar depoimento. Entre elas, um jovem preso em 2014 em Itajaí por colar cartazes em homenagem a Hitler pela cidade.

“Nós também encaminhamos os cartazes para o Instituto Geral de Perícias, para fazer a análise das impressões digitais. Isso vai ser muito importante para ajudar na identificação dos envolvidos. Estamos analisando as câmeras de monitoramento da região, tanto da rua quanto dos outros equipamentos nas proximidades. Além de outras diligências para solucionar o caso. Quem tiver informações também pode fazer uma denúncia anônima para a polícia”, explica o delegado.

O advogado Marco Antônio, que sofreu o ataque racista, diz que tem recebido diversas mensagens de apoio. E espera que o caso sirva como exemplo para que a situação não se repita.

“De toda essa confusão a expectativa é de que o poder público olhe com outros olhos para a situação. Eu acho que é uma questão jurídica, mas também de educação. As escolas precisam falar sobre as religiões de matriz africana. O importante é conscientizar as pessoas”.

Mensagem direta

Os cartazes fixados na frente da casa do advogado blumenauense mostram o desenho de um integrante do movimento extremista norte-americano Ku Klux Klan e a frase: “negro, comunista, antifa (integrante de movimento antifascista), macumbeiro. Estamos de olho em você!”.

Não foram encontrados outros folhetos pela cidade, por isso acredita-se que o recado tenha sido uma mensagem direta para o advogado.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio