+

Conheça o lutador de Blumenau campeão brasileiro e sul-americano de jiu-jitsu

Bruno Sena tentou o visto para disputar o Mundial nos Estados Unidos, porém, foi negado

Muitos atletas sonham em chegar no topo da modalidade em que disputam e para o lutador de jiu-jitsu de Blumenau, Bruno Sena, não é diferente. Ele é uma realidade na arte marcial, já tendo sido campeão brasileiro e sul-americano.

Sena, como é conhecido, tem 20 anos, nasceu em Macapá, capital do Amapá, e começou no jiu-jitsu há sete anos em um projeto social criado pelos mestres Keito Vilhena e Carlos Rosberg. “Desde o início, eu sempre gostei da parte competitiva. Lá rolavam alguns eventos regionais e eu competia”, comenta Bruno.

Com o passar do tempo, o lutador foi admirando e acompanhando ainda mais o jiu-jitsu e outros atletas. Querendo mais oportunidades na modalidade, Sena precisou sair da cidade natal e foi para Campinas, em São Paulo, com 17 anos.

“Morando onde eu morava era muito difícil. Sempre tinha que ir de avião. Todo mês tinha campeonato, então não tinha condições para viajar de avião para lutar. Sempre pensei em sair da minha cidade para seguir minha carreira e meu sonho”, completa.

Primeiros torneios e início da pandemia

Ao se mudar para SP, Sena conseguiu começar a disputar torneios oficiais da Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu (CBJJ) e da Abu Dhabi Jiu Jitsu Pro (AJP). Segundo Bruno, a AJP faz eventos no mundo todo e valoriza financeiramente os atletas.

Quando iniciou nas competições destas federações, Sena era faixa azul – três antes da preta. Ele era destaque e campeão em alguns dos eventos que rolavam. Mas, em 2020, com o começo da pandemia, o lutador precisou sair de São Paulo, pois não iria conseguir se manter sem os torneios, e voltou para Macapá.

Mudança para Blumenau

No início de 2021, Sena conheceu, por meio das redes sociais, o projeto social UCLA – sigla que traz as iniciais de união, companheirismo, lealdade e amizade – de Blumenau, do treinador Marcos Cunha. Ele conversou com Cunha, que o aceitou no projeto, e veio para a cidade. Quando o lutador veio para Blumenau ele já estava na faixa roxa – duas antes da preta.

“Neste projeto foi onde eu ganhei meu maior título, o Campeonato Brasileiro, que é o mais importante que temos aqui no Brasil e um dos mais difíceis do mundo”, ressalta Bruno. Ele disputou esse torneio na faixa roxa.

Além do Campeonato Brasileiro, Sena também já ganhou diversos outros títulos. Entre eles estão: três Sul-Brasileiro, um Sul-Americano, sete AJP Tour, dois Jogos Abertos de Santa Catarina, entre outros. O último conquistado foi o sul-americano da AJP, disputado em Balneário Camboriú, no último mês de março.

Atualmente, o lutador é faixa marrom no jiu-jitsu, estando apenas uma antes da preta. Entre 29 de abril e 7 de maio, ele vai buscar novamente o Campeonato Brasileiro, pela respectiva faixa. O torneio acontece em Barueri, São Paulo.

Para conseguir uma renda extra, além de treinar, Sena dá aulas de jiu-jitsu na academia em que treina e faz alguns serviços como segurança nos fins de semana.

Técnica utilizada

Bruno também destaca uma técnica que utiliza nas lutas. Ela se chama ‘Guarda Lapela’. “Venho fazendo desde minha faixa laranja, então, sempre que faço esse jogo, consigo colocar meus adversários numa situação ruim”, completa.

Entenda como é a Guarda Lapela:

Visto negado

Infelizmente, nas últimas semanas, Sena teve a notícia que seu visto para ir aos Estados Unidos disputar o mundial foi negado. Ele havia ido até Brasília para tentar. Agora, ele busca novamente recursos para conseguir a liberação do visto e disputar o tão sonhado Mundial, que acontece no fim de maio.

Doações para Bruno Sena podem ser feitas da chave Pix 05766422237 (CPF).


Cônsul da Áustria em Blumenau ensina a preparar um delicioso Hackepeter moderno:

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo