Homem que confessou assassinato do irmão vai se entregar à polícia nesta quinta

Família ainda tenta entender o que levou Maurici Vigarani a cometer o crime

Homem que confessou assassinato do irmão vai se entregar à polícia nesta quinta

Família ainda tenta entender o que levou Maurici Vigarani a cometer o crime

Alice Kienen

O homem que confessou ter matado o irmão esfaqueado irá se entregar à polícia na tarde desta quinta-feira, 6. Segundo o advogado Ricardo Wippel, Maurici Vigarani vai se apresentar voluntariamente. O defensor relatou que o cliente ainda está muito chocado com o ocorrido e não detalhou a motivação do crime.

Maurici e o irmão, Mauro, 52 anos, moravam juntos no bairro da Glória, em Blumenau. O corpo de Mauro foi encontrado na casa deles na terça, 4. A morte a facadas teria ocorrido na sexta-feira, 31.

A reportagem de O Município Blumenau conversou com o irmão do meio, Osmar, que vive em Gaspar. Ele descreve Maurici como uma pessoa “maravilhosa”, e não acredita que ele tenha cometido o crime sozinho.

“Pelo que vi no IML, parece que teve mão de mais gente ou foi mão de outra pessoa pessoa para tanta crueldade […] Jamais um irmão contra o outro”, comenta Osmar, que precisou reconhecer o corpo do irmão.

A família tenta entrar em contato com Maurici desde que descobriu o crime, porém, ele não retorna as ligações.

Mauro Vigarani. Foto: Arquivo pessoal

Apesar de já saberem sobre uma discussão entre os irmãos, a família ainda não conseguiu entender como Maurici teria chegado ao ponto de esfaquear o irmão. Segundo Osmar, a briga envolvia um desentendimento por conta da namorada de Maurici.

“Eles moravam juntos há muito tempo. Eram mais que irmãos, tudo era dividido. O que não podia envolver no momento é mulher, porque foi feito um acordo entre eles. Mas aí ele se interessou por essa ex, daí deu no que deu. Eu acredito que foi por isso. Dinheiro não era problema porque eles trabalhavam”, opina.

Segundo Osmar, Mauro não aceitava a ideia de Maurici de sair da casa dos dois para morar com a namorada, pois não daria conta das despesas sozinho. Osmar conta que tentou aconselhar Maurici a resolver a questão sem causar mais atrito com o irmão, mas ele dizia que tinha pressa.

“Ele me disse ‘eu tenho uma coisa pra te dizer’, mas isso faz duas semanas. Eu não sabia que ele queria chegar a esse ponto”, lamenta Osmar.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo