Ponte histórica do Badenfurt, em Blumenau, será transferida de local

Prefeitura pretende construir uma nova travessia, mas ainda não sabe para onde levará estrutura de madeira

Ponte histórica do Badenfurt, em Blumenau, será transferida de local

Prefeitura pretende construir uma nova travessia, mas ainda não sabe para onde levará estrutura de madeira

Julia Schaefer

A prefeitura de Blumenau pretende transferir de local a antiga ponte de madeira da rua Arnold Hemmer, no Badenfurt. Batizada de Emma Hemmer, a travessia do ribeirão do Testo é considerada de valor histórico, embora não seja tombada.

No lugar da atual ponte será construída uma nova, mais moderna. Na semana passada, a prefeitura lançou o edital de licitação para projetar a estrutura. O edital descreve como ponto de partida para a elaboração do projeto uma ponte de 40 metros de extensão por 12 metros de largura.

A ponte deve, obrigatoriamente, ter os dois sentidos de tráfego e espaço para abrigar passeio compartilhado (pedestres e ciclistas). A prefeitura ainda não tem previsão para o recebimento dos recursos e início de construção da nova ponte.

O governo garante que não há qualquer possibilidade de desmontar a ponte antiga, mas ainda não sabe para onde levá-la.

“Não temos um local definitivo. Em cima do projeto vamos avaliar a remontagem em outro local onde possamos ter uma faixa de tráfego. Mas seguramente vamos encontrar”, estima o secretário de Desenvolvimento Urbano, Ivo Bachmann Jr.

Construída com madeira trabalhada e telhado em estilo germânico, a charmosa Emma Hemmer passou por fases turbulentas nos últimos anos. Depois de três anos sendo acessada apenas por pedestres e ciclistas devido à falta de condições estruturais (um caminhão atingiu parte da estrutura em 2012), só voltou a ter trânsito de carros em outubro de 2017. Cerca de R$ 200 mil foram investidos nas reformas.

Marcelo Martins/Prefeitura de Blumenau

Hoje a ponte tem apenas uma via de tráfego, no sentido Indaial. Acontece que com a pavimentação da rua Arnold Hemmer e a construção do Complexo Viário do Badenfurt, o fluxo de veículos aumentou. Segundo a prefeitura, já aconteceram vários flagrantes de carros que inclusive acessam a ponte na contramão para ir em direção a Blumenau.

Bachmann também aponta um problema hídrico. Por ser uma ponte baixa, com pilares próximos e estar em uma bacia hidrográfica grande, a área alaga facilmente.

“Temos empresas, além de moradores que têm sérios problemas de alagamentos, mesmo com fluxos pequenos de chuva”, explica.

Segundo o presidente do Instituto Histórico de Blumenau (IHB), Marcos Schroeder, a ponte Emma Hemmer é o último exemplar do tipo que ainda existe na cidade. Por isso, a entidade tem se manifestado pela preservação dela.

O IHB defende a manutenção da ponte no local onde se encontra, ou próximo dali para ser utilizada por pedestres e ciclistas.

O arquiteto e membro do Conselho Municipal de Planejamento Urbano, Alfredo Lindner, acredita que a prefeitura poderia escolher outra solução para a ponte. Segundo ele, depois da construção do viaduto do Badenfurt na BR-470, a demanda de tráfego deve ser reduzida na Emma Hemmer.

“A demanda maior é em função da inexistência desse equipamento correto na saída do Badenfurt com a BR-470”, analisa.

De acordo com Lindner, o ideal seria a prefeitura não retirar a ponte local onde ela está, e sim construir uma nova estrutura perto do local.

Ministério Público ajuizou ação civil

Centenária, a ponte Emma Hemmer nunca foi tombada como patrimônio histórico pelo município. Isso fez com que o Ministério Público ajuizasse uma ação civil para garantir que todas as alterações na estrutura respeitassem o valor histórico da ponte.

O promotor responsável pelo caso, André Fernandes Indalencio, pretende obrigar o município a consultar oficialmente a Fundação Cultural antes de qualquer intervenção. A ação ainda não foi julgada. Indalencio está em férias.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio