O caso do morador de Indaial que gravou um vídeo espancando as filhas ganhou tamanha repercussão que as autoridades estão preocupadas com o desfecho da situação. As imagens geraram comoção e revolta nas redes sociais. Alguns internautas chegaram até a pesquisar o endereço do agressor para fazer “justiça com as próprias mãos”.

Diante de tantas indagações – principalmente na internet -, vou explicar tudo o que foi apurado até o momento sobre essa história.

O agressor que aparece no vídeo tem 47 anos de idade e é morador do bairro Benedito. No vídeo, ele está na cama, apenas de cueca, espancando as filhas de 11 e 17 anos. Ele dá tapas no rosto das meninas, que ficam imóveis, apenas chorando. A mais velha, de 17 anos, está com uma bebê no colo, que é filha dela.

O homem teria pedido para a outra filha, de 13 anos, fazer as imagens. Em seguida, ele mandou o vídeo para a ex-mulher (mãe das meninas), a qual está separado há 4 anos. Inclusive, a agressão aconteceu no dia em que as meninas foram visitar o pai.

Mas, afinal, o que motivou a agressão? O homem falou à Polícia Militar que descobriu que a filha mais velha (de 17 anos) está grávida novamente. Indignado com a notícia, ele bateu na filha mais nova e na gestante. Após isso, mandou o vídeo para culpabilizar a ex-mulher pela situação.

A ex-mulher prestou depoimento à polícia e disse que a filha de 17 anos tem um namorado (pai do primeiro filho) e confirmou que ela está grávida novamente. Ela pediu justiça pelas filhas, com medo de que aconteçam outras agressões. As meninas (de 11, 13 e 17 anos) estão com mãe e ainda traumatizadas com o que aconteceu.

A Polícia Civil ainda está investigando a situação. O agressor ainda não foi encontrado para prestar depoimento. O nome dele não será divulgado por dois motivos: para preservar a identidade das filhas e porque ele ainda não foi julgado.

Nas redes sociais, chegaram a comentar que as meninas estariam em um abrigo e que o pai também seria um pedófilo. Tais informações, segundo a polícia, não procedem.

As meninas estão na casa da mãe e o caso está sendo acompanhado pelo Conselho Tutelar. Enquanto isso, a justiça irá analisar as penalidades do pai agressor.

Desaparecido

O homem que gravou um vídeo espancando suas filhas em Indaial ainda não foi encontrado pela polícia. Segundo o delegado que investiga o caso, Romildo Parno, foram realizadas buscas no seu endereço residencial e também no local onde trabalhar, mas o homem não foi encontrado.

Ele não é considerado foragido até o momento porque a Justiça não expediu o mandado de prisão. Além disso, o caso corre em segredo de justiça. O delegado afirma, contudo, que foi realizado inquérito policial e que a família encontra-se assistida pelo Conselho Tutelar.

Por ainda não ser foragido, sua identidade foi preservada. No momento, estão sendo tomados os cuidados para a preservação do estado de saúde da família.

Deixe uma resposta