TJ libera página em rede social que postava críticas a vereador

Para o magistrado, as postagens não representaram, propriamente, ofensa à honra do parlamentar de Itajaí

TJ libera página em rede social que postava críticas a vereador

Para o magistrado, as postagens não representaram, propriamente, ofensa à honra do parlamentar de Itajaí

Redação

A 5ª Câmara de Direito Civil acolheu recurso interposto pela empresa Facebook, que foi obrigada a suspender página na qual eram publicadas críticas à atuação de um vereador Fernando Pegorini (PP) e demais políticos de Itajaí.

Em seu voto, o desembargador relator Jairo Fernandes Gonçalves liberou o perfil, no entanto manteve a decisão do juízo de primeiro grau que obrigou a referida rede social a fornecer o IP e outras informações que permitam a identificação do responsável.

De acordo com os autos, nos textos postados são empregadas diversas expressões como “mentiroso”, “corrupto”, “falso”, “enganador” e “pau-mandado”. Nas publicações, o responsável pela página insinua que alguns projetos que tratam de melhorias no bairro não seriam de autoria do parlamentar e que este não tem trabalhado na defesa dos interesses da comunidade.

Para o desembargador Jairo Gonçalves, o caso traz à baila discussão atual sobre aparente conflito de garantias constitucionais, a saber, o direito à privacidade e à imagem em contraste ao direito à informação, à liberdade de expressão e manifestação do pensamento e à restrição à censura.

Para o magistrado, as postagens não representaram, propriamente, ofensa à honra do parlamentar.

“Constata-se que o agravado é vereador e, portanto, pessoa pública e propensa a comentários positivos e negativos por parte dos cidadãos, e também por parte da imprensa”, anotou.

Na opinião do relator, a decisão que determinou a suspensão integral do perfil foi desproporcional, por limitar de maneira injustificada a livre manifestação de expressão na internet.

“Não se verificam excessos aparentes, como linguajar de baixo calão, grosserias ou ataques diretos à pessoa do agravado, mas apenas um apanhado de comentários negativos acerca da sua atuação como vereador. Evidente que eventuais danos causados à moral do agravado poderão ser futuramente indenizados, caso constatada a falsidade das alegações ou excessos na manifestação de opinião”, apontou.

Mais notícias de Blumenau

Reversão da João Pessoa é suspensa após prolongamento da Humberto de Campos

Processos terão de passar por audiência de conciliação antes da Justiça

Estado indenizará homem preso durante três anos por crime que não cometeu

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio