Empresa de Blumenau é condenada por discriminação a funcionário homossexual

Juiz do trabalho observou "amarras, preconceitos e resistências" na postura do supervisor acusado durante audiência

Empresa de Blumenau é condenada por discriminação a funcionário homossexual

Juiz do trabalho observou "amarras, preconceitos e resistências" na postura do supervisor acusado durante audiência

Redação

Uma empresa de Blumenau foi condenada a pagar R$ 10 mil a um trabalhador por atos de discriminação sexual praticados por um supervisor. A decisão, confirmada em segunda instância neste mês, foi tomada pela Justiça do Trabalho.

A empresa, que é do setor de transportes mas não teve o nome divulgado, deverá pagar indenizado por danos morais ao ex-empregado, de orientação homossexual.

Na ação, o trabalhador alegou que o supervisor imediato, ao perceber sua orientação sexual, passou a tratá-lo de forma bruta e arrogante. Disse ainda ter sido perseguido e assediado verbalmente, com insinuações sobre a sua sexualidade, sendo alvo de brincadeiras de mau gosto. A empresa contestou, afirmando que não houve qualquer prática discriminatória e que o autor jamais foi constrangido por ser homossexual.

Veja também: câmera registra atropelamento de pedestre na rua Bahia

Ao ouvir o testemunho do supervisor acusado de assédio, o juiz Oscar Krost, da 2ª Vara do Trabalho de Blumenau, entendeu de fato que o trabalhador sofreu tratamento discriminatório em relação aos colegas e que a homossexualidade dele não era algo indiferente ao supervisor.

Para o magistrado, embora não tenham ocorrido ofensas diretas, por meio de agressões verbais ou físicas, ficaram comprovados o rigor excessivo e as cobranças desiguais feitas pelo superior.

“Por mais politicamente correto que possa parecer e por menos violento que se mostre, a postura da testemunha convidada pela ré para depor em sessão foi dotada de amarras, preconceitos e resistências, pelo que, considero não apenas plausível, como demonstrado o trato discriminatório alegado na inicial”, ponderou o juiz Oscar Krost, destacando que tal atitude demonstra falta da dimensão exata do que seja a dignidade da pessoa humana.

Ao recorrer da sentença, a empresa declarou que não existia prova de violação da dignidade humana, pois os fatos alegados não foram confirmados pela prova oral. Contudo, para o relator do processo, desembargador Hélio Batista Lopes, tanto o depoimento do supervisor quanto o da testemunha do autor comprovaram o desrespeito à dignidade do trabalhador e aos seus direitos da personalidade.

Ele chamou a atenção ainda para o fato inusitado de que a testemunha da ré era o próprio acusado. A empresa não recorreu da decisão no Tribunal Regional do Trabalho.

Mais notícias de Blumenau e região

IFC prepara curso superior gratuito de Ciências da Computação em Blumenau

Motorista de 55 anos morre após carro cair em ribanceira do bairro Progresso, em Blumenau

Bando com 10 assaltantes ataca empresa em Blumenau

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo