Letícia Silva

Letícia Silva é jornalista, empresária e corredora amadora. Aqui, toda segunda-feira ela compartilha em vídeo histórias inspiradoras, curiosidades e dicas de especialistas sobre o universo das corridas.

“Eu tinha 87 quilos e achava impossível correr”, conta a maratonista Juliana Matias

Mãe de dois filhos, a blumenauense largou o sedentarismo, emagreceu 26 quilos e completou em 2018 a Maratona de Nova York

Letícia Silva

Letícia Silva é jornalista, empresária e corredora amadora. Aqui, toda segunda-feira ela compartilha em vídeo histórias inspiradoras, curiosidades e dicas de especialistas sobre o universo das corridas.

“Eu tinha 87 quilos e achava impossível correr”, conta a maratonista Juliana Matias

Mãe de dois filhos, a blumenauense largou o sedentarismo, emagreceu 26 quilos e completou em 2018 a Maratona de Nova York

Letícia Silva

Com dois filhos e uma rotina intensa como bancária, a blumenauense Juliana Matias tinha as desculpas perfeitas pra justificar o sedentarismo. No entanto, em 2014, aos 31 anos e 87 quilos, escolheu ter qualidade de vida. Com orientação de uma nutricionista e um educador físico, passou por reeducação alimentar e começou a correr.

Em 2018, com 26 quilos a menos, realizou o sonho de completar a Maratona de Nova York. A corrida trouxe mais saúde e autoestima pra Juliana, como ela conta no vídeo inédito de hoje.

>> “A corrida melhora o humor”, diz o professor Vital, que completou o primeiro 5k em 2018

>> “Correr é uma das grandes emoções da minha vida”, conta a maratonista Sabine Weiler.

>> “A corrida é transformadora”, afirma a ultramaratonista Camile Tonial.

O que é considerado sedentarismo

A Organização Mundial de Saúde considera sedentários aqueles que praticam MENOS de 150 minutos de atividade aeróbica por semana. Uma pesquisa publicada em junho de 2018 pela OMS aponta que um em cada quatro adultos é sedentário. A meta global é reduzir o sedentarismo em 10% até 2025. A preocupação existe porque o sedentarismo é considerado mais perigoso do que a obesidade.

Pessoas que não praticam atividade física têm mais chance de infartar, ter um Acidente Vascular Cerebral, desenvolver câncer de mama, depressão, pressão alta e diabetes, por exemplo. Além disso, a OMS acredita que, quanto mais gente se exercitando, melhor será a conservação do meio ambiente e até o desempenho acadêmico.

Vídeo: as diferenças básicas entre a corrida no asfalto e o trail running

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo