Polícia Civil conclui inquérito e apresenta detalhes das investigações do massacre em creche de Blumenau

Polícia contou sobre depoimentos e dinâmica do crime

Polícia Civil conclui inquérito e apresenta detalhes das investigações do massacre em creche de Blumenau

Polícia contou sobre depoimentos e dinâmica do crime

Jotaan Silva

A Polícia Civil de Santa Catarina concluiu o inquérito que investigou a chacina registrada na creche Cantinho Bom Pastor, em Blumenau, no dia 5 de abril. O criminoso foi indiciado por quatro homicídios com quatro qualificadoras, além de cinco tentativas de homicídio.

As qualificadoras – que aumentam a pena – foram motivo torpe, uso de meio cruel, impossibilidade de defesa das vítimas e também por elas serem menores de 14 anos. Os detalhes foram divulgados em coletiva nesta segunda-feira, 17.

Depoimentos

O delegado Ronnie Esteves, responsável pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Blumenau, detalhou os depoimentos colhidos durante os últimos 15 dias. Um dos principais foi da mãe do criminoso.

Ela contou que criou o filho sozinha, mas que isso não havia afetado a infância dele, que era um jovem tranquilo e respeitador. A mulher contou também que, quando ele já era mais velho, se relacionou com um homem que se tornou padrasto.

Esse padrasto no início tinha uma boa relação com o criminoso, inclusive o auxiliando a comprar uma moto e também começar a trabalhar como motorista de aplicativo – Uber. Entretanto, tudo teria mudado quando o autor do crime começou a usar drogas – cocaína.

Segundo a mãe, ele começou a ficar agressivo e paranoico, dizendo ouvir barulhos que não existiam, que estava sendo perseguido e até que o padrasto havia instalado um chip no olho dele. Devido a situação grave, ele saiu da casa da mãe e do padrasto e foi morar com o tio durante 30 dias.

Quando retornou à residência, ele atacou o padrasto com uma faca, numa tentativa de homicídio. Depois desses fatos, ele foi internado em uma clínica de reabilitação.

Nesse meio período, até o criminoso sair da clínica, o padrasto e a mãe do criminoso terminaram a relação e o homem saiu de casa. Mesmo assim, continuou sendo alvo de perseguições.

Outro depoimento importante foi de um amigo do criminoso. Segundo o delegado Ronnie, esse colega relatou que o assassino tinha um fascínio por um policial militar que ele conheceu em uma academia e que também é lutador de jiu-jitsu.

O criminoso, aliás, chegou a dizer em depoimento que esse policial foi quem ordenou o crime. Depois, porém, após comprovado que ambos não tinham uma relação, pois apenas frequentaram a mesma academia uma única vez, ele mudou as afirmações.

“Ele que fez aquilo para mostrar ao policial que também era corajoso, pois fez o que poucas pessoas fariam”, explicou Ronnie. O policial militar também foi ouvido, mas qualquer participação no crime foi descartada.

O dia do criminoso

Durante as duas semanas de investigação, a Polícia Civil conseguiu construir todo o dia do assassino, até se entregar. Os detalhes também foram divulgados, desta vez pelo delegado Rodrigo Raitz, responsável pelas investigações.

O autor saiu de casa, no bairro Escola Agrícola, às 8h03, com uma Honda CG. Ele foi em direção a rua José Fischer, uma rua sem saída e onde existiam duas unidades de educação. A intenção do criminoso primeiramente era atacar essas escolas, entretanto, ele teria desistido por conta do tamanho do muro – informação que ele deu em depoimento.

Após ficar dois minutos nessa rua, ele saiu de lá e foi em direção a uma academia, onde ficou por cerca de 21 minutos, entre 8h16 e 8h39. Aliás, ele chegou a pagar a mensalidade da academia antes de sair.

Ao deixar a academia, ele seguiu em direção ao CEI Cantinho Bom Pastor, onde, antes de pular o muro, alongou os braços, pegou as armas e pulou o muro, de 1,65m. Ele entrou na unidade às 8h49 e ficou apenas 20 segundos no local, pelo mesmo muro.

Ainda segundo a polícia, o assassino utilizou um machado tático de 42 centímetros e um canivete, com lâmina de 11 centímetros.

Ao sair da creche, o criminoso pegou um caminho inverso do que seria o mais próximo do Batalhão da Polícia Militar, onde se entregou. Ao invés de seguir direto até o batalhão, ele foi em direção ao bairro e fez toda a volta, passando pela Velha Grande, até chegar a um posto de combustíveis que fica próximo ao 10ª BPM.

No posto, ele chegou às 9h03 e ficou por dois minutos e 30 segundos. Ele comprou água e um cigarro. Na sequência, foi até o batalhão e se entregou.

Estudo e fake news

Durante a coletiva, a Polícia Civil também detalhou outras situações, como estudo do perfil psicológico do assassino, que será utilizado pelo setor de inteligência, com intuito de evitar crimes semelhantes.

Além disso, o delegado geral da Polícia Civil em Santa Catarina, Ulisses Gabriel, também comentou sobre a reprodução de notícias falsas. Ele fez um pedido para que a comunidade não compartilhasse informações que não foram comprovadas por órgãos oficiais e não divulgadas por equipes profissionais de jornalismo.

Segundo o delegado, essas “fake news” atrapalham as investigações, dão trabalho para que a polícia tenha que desmentir, além de causarem medo na população.

Tudo sobre o atentado

Durante a manhã do dia 5 de abril, uma quarta-feira, um homem de 25 anos entrou no CEI Cantinho Bom Pastor, localizado na rua Caçadores, bairro Velha, em Blumenau, e atacou as crianças.

Com um machado e um canivete ele matou quatro crianças. As vítimas foram identificadas como Bernardo Pabst da Cunha, 4, Bernardo Cunha Machado, de 5 anos, Larissa Maia Toldo, de 7 anos, e Enzo Marchesin Barbosa, de 4.

O autor do crime também deixou cinco feridos. Uma das meninas foi liberada logo após o crime e as outras quatro receberam alta na quinta-feira, 6. Um dos feridos, Davi Ambrosio, precisou receber transfusão de sangue.

Após realizar o massacre, o assassino foi até o Batalhão da Polícia Militar para se entregar e foi preso em flagrante.

Leia também: Confira imagens da despedida de vítimas de atentado em creche de Blumenau

Histórico criminal

De acordo com a Polícia Civil de Santa Catarina, o autor do massacre contra as crianças tinha outras quatro passagens pela polícia – porte de drogas, briga em casa noturna e dois casos de esfaqueamento, sendo uma por esfaquear o padrasto e outra por esfaquear um cão.

Uma professora que estava na creche alvo de atentado, relatou alguns momentos vividos durante o crime. Em depoimento, ela conta trancou as crianças para evitar que fossem atacadas. “Aquela cena que você nunca imagina ver na vida”, disse.

Desdobramentos

O governo federal anunciou um repasse de R$ 150 milhões para que os municípios e estados invistam em rondas escolares.

A Polícia Militar de Blumenau e o Corpo de Bombeiros desmentiram alguns dos boatos de novos ataques que começaram a circular nas redes sociais, após o atentado que aconteceu na creche Cantinho Bom Pastor.

Na tarde de quinta-feira, 6, as prefeituras de Indaial e Blumenau anunciaram a contratação de seguranças armados para as escolas municipais. O governador Jorginho Mello também vai contratar para as instituições estaduais. Além disso, a Prefeitura de Blumenau anunciou outras quatro medidas que começaram a ser efetivadas nesta segunda-feira, 17.


Aprenda a fazer uma saborosa massa com frutos do mar com o dono do hotel Villa do Vale:

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo